segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Pense em muita maconha apreendida! 51 kg

Maconha apreendida durante ação. O acusado e os policias
Uma ação de policiais militares da cidade de Governador Archer apreendeu 51 quilos de maconha, distribuídos em 59 tabletes, que estariam sendo transportados para a cidade de Codó.
A apreensão ocorreu nesta sexta-feira (9) em abordagens da PM realizadas no Povoado Barreiras, município de Dom Pedro, a 17 quilômetros de Governador Archer.
A PM conseguiu localizar a droga durante rondas realizadas na região. De acordo com a Polícia Militar, um veículo Fiat Uno com placa da cidade de Timbiras apresentava problemas nos faróis traseiros e dianteiros, o que despertou a atenção dos policiais.
Em revista no veículo, foram encontrados 17 tabletes de maconha dentro de um recipiente utilizado para transportar frutas e verduras que se encontravam no banco traseiro do carro. No porta-malas foram localizados os demais tabletes.
O condutor do veículo, identificado por Carlito Pereira, de 44 anos, também foi preso.
Em depoimento à polícia ele relatou que estaria trazendo a droga da cidade de Barra do Corda e levando para distribuição no município de Codó. A droga foi comprada na Aldeia indígena Canaã, no município de Genipapo dos Vieiras.
Todo o entorpecente apreendido e o acusado foram levados para a Delegacia Regional de Presidente Dutra, onde seriam lavrados os procedimentos pela delegada Karla Simone Barbosa Saraiva.
Efeitos da droga 
Segundo matéria publicada pela revista Veja, em recente edição, a ciência vem produzindo provas de que o consumo da cannabis – maconha – faz muito mal para o usuário crônico (quem fuma um cigarro por semana durante um ano).
E se o consumo for na adolescência as consequências são piores e se arrastarão para o resto da vida.
Estudos de treze renomadas instituições de pesquisas, entre elas as universidades de Duke, EUA e de Otago, Nova Zelândia, os pesquisadores acompanharam 1.000 voluntários durante 25 anos.
Eles começaram a ser estudados a partir dos 13 anos, em dois grupos: fumantes e não fumantes de maconha.
Ao compararem os grupos ficou clara a questão do dano à saúde dos adolescentes usuários de maconha que mantiveram o hábito até a idade adulta, como: queda significativa no desempenho intelectual e baixo rendimentos em testes de memória, concentração e raciocínio rápido.
- Se o usuário crônico acha que está bem, a ciência mostra que ele poderia estar muito melhor sem a droga. A maconha priva a pessoa de atingir todo o potência de sua capacidade – afirma um dos mais respeitados estudiosos no assunto, o psiquiatra Ronaldo Laranjeira, da Universidade Federal de São Paulo.
Com mais de 220 milhões de usuários no mundo, a maconha é internacionalmente a droga ilícita mais popular, sendo que cerca de 60% dos usuários são adolescentes. Quanto mais precoce for o consumo maior o comprometimento cerebral.
Um dos argumentos para a legalização da maconha é que se ela for vendida legalmente a mesma seria cultivada dentro da lei e industrializada.
Haveria aumento de oferta e os preços cairiam. Já os traficantes seriam ignorados e perderiam a sua ‘utilidade’, levando consigo os roubos, assassinatos, corrupção policial que a repressão à maconha provoca. Porém, é valido lembrar que traficante não vende só maconha.
É imprescindível que as evidências científicas sobre os incontestáveis danos da maconha a saúde sejam levados em conta na hora de se discutir a legalização da mesma no Brasil, pois a população só tem a ganhar com isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário