quarta-feira, 21 de março de 2012

Treze municípios do Maranhão já tiveram assaltos em bancos em 2012

Somente em 2012, 13 municípios maranhenses já sofreram assaltos. Houve ainda quatro incidentes em terminais de auto-atendimento em São Luís e Imperatriz

Nos três primeiros meses deste ano, mais de R$ 3 milhões podem ter sido roubados por quadrilhas especializadas em assaltos a bancos em todo o Maranhão. A estimativa é baseada na quantidade de ocorrências informada pela polícia, e de acordo com a dimensão dos municípios que foram cenário desse tipo de crime.

Segundo o delegado do Departamento de Combate ao Roubo às Instituições Financeiras (DCRIF), Luís Jorge Matos Santos, embora os bancos não divulguem os valores do dinheiro levado por assaltantes, cada abordagem a instituições bancárias situadas em pequenas cidades do interior do Maranhão pode ter representado um prejuízo médio de R$ 150 mil, enquanto os caixas eletrônicos assaltados nos grandes centros urbanos poderiam conter até R$ 300 mil.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que realiza a contagem da população brasileira, define como pequenas cidades os municípios com até 100 mil habitantes. Desde o início de janeiro, ocorreram assaltos a bancos em 13 cidades maranhenses nessa faixa populacional, além de quatro incidentes em terminais de auto-atendimento em São Luís e Imperatriz, considerados centros de grande porte.

Com base nesses critérios, atinge-se o total de R$ 3,15 milhões arrecadados nas investidas criminosas, que não chegou a um montante ainda superior por conta de seis tentativas de ação de assaltantes que foram frustradas pela polícia antes de se concretizarem.

No âmbito da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic), o DCRIF concentra as informações referentes às ocorrências de roubo e furto a agências bancárias e terminais de auto-atendimento no Maranhão.

De acordo com o levantamento do órgão, e adotando-se o mesmo cálculo de valores estimados segundo o porte dos municípios, no primeiro trimestre do ano passado foram registradas 16 ocorrências de assaltos, representando um desfalque de R$ 3,45 milhões. Apesar de em 2011, entre janeiro e março, ter ocorrido um assalto a menos, a estimativa do montante de dinheiro roubado foi relativamente maior em comparação com os três primeiros meses de 2012, devido à incidência do dobro de casos na capital.

As ações criminosas

O delegado Luís Jorge Matos esclareceu que, até 2009, a modalidade de assaltos mais frequente no Maranhão era o tipo conhecido como “vapor” ou “novo cangaço”, quando os grupos criminosos invadem os bancos, chegam a agredir e fazer reféns entre os funcionários e clientes, fugindo depois de obterem o dinheiro encontrado nas agências.

Essa modalidade de abordagem, que não foi registrada no estado em 2012, costuma ocorrer em dias de pagamento de salários de funcionários públicos e benefícios sociais, em razão do grande movimento de dinheiro.

“Havia semanas com até dois assaltos desse tipo”, disse o delegado, observando que os grupos passaram a adotar outros procedimentos, em reação às ações da polícia para coibir a ousadia dos bandidos. Foi quando aumentaram as abordagens chamadas de “sapatinho”, pela qual se sequestravam os familiares dos gerentes dos bancos, que eram libertados depois da entrega forçada das reservas de valores mantidas nas agências bancárias.

“Apesar de ser menos arriscado e pouco perceptível, [esse tipo de ação] implica em uma pena maior, por se tratar de extorsão mediante sequestro”, explicou Luís Jorge Santos.

Mais recentemente, de acordo com o titular do DCRIF, o foco das quadrilhas passou a ser os caixas eletrônicos e terminais de auto-atendimento, encontrados não apenas nas agências bancárias, mas em diversos estabelecimentos comerciais, como farmácias e supermercados. No entanto, as ações mais constantes correspondem ao furto qualificado.

Praticado por grupos de assaltantes, com equipamentos (maçaricos ou explosivos) e em geral durante a noite, quando não há funcionamento dos pontos comerciais, esse tipo de delito envolve uma pena mais leve, além de menores riscos, como a possibilidade de confronto com a polícia ou de se fazerem vítimas. Mas há registro de incidentes em que vigilantes foram feitos reféns, o que transforma a tipificação do crime em roubo qualificado.

Ao esclarecer o perfil dos integrantes de quadrilhas especializadas em assaltos a bancos, o delegado Luís Jorge Santos informou que os grupos são heterogêneos, e é comum que envolvam pessoas procedentes de outros estados brasileiros, onde também há registro de uma alta incidência de assaltos a bancos. Apenas em janeiro deste ano, uma quadrilha formada por cinco mato-grossenses realizou os três assaltos a terminais de auto-atendimento registrados esse ano em São Luís. Na região tocantina, que concentra um grande fluxo comercial e de pessoas, há indícios de que venha se organizando um grupo composto por integrantes dos estados do Pará, Tocantins e Piauí.

Apesar de não se terem levantado provas materiais que comprovassem as suspeitas, o titular do DCRIF disse que há a possibilidade de que algumas quadrilhas tenham recebido informações privilegiadas de vigilantes terceirizados em atividade nas agências bancárias, a respeito do abastecimento dos terminais. Para identificar as quadrilhas, descobrir o paradeiro dos assaltantes e efetuar as prisões, o delegado explicou que a polícia conta com uma rede de informantes e colaboradores em todo o estado, além de receber denúncias anônimas da própria população. Além disso, em algumas abordagens os criminosos acabam deixando pistas que facilitam o trabalho de investigação das equipes policiais.

Mantida prisão de ex-vereador acusado de integrar quadrilha especializada em assaltos a bancos

Por unanimidade, e seguindo parecer da Procuradoria Geral de Justiça, a 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça negou, nesta terça-feira (20), o sexto pedido de liberdade formulado no habeas corpus ajuizado em favor de Valdimar dos Santos Carvalho, ex-vereador do município de Santa Quitéria, conhecido como “Mosquito”.
O ex-vereador havia sido preso preventivamente, no dia 18 de fevereiro de 2011, por supostamente fazer parte de uma quadrilha especializada em assaltos a bancos, cujos integrantes, em 3 de fevereiro deste ano, invadiram a agência do Bradesco, na cidade de Santa Quitéria do Maranhão, e, após ameaças, subtraíram dinheiro da agência e de clientes daquela instituição financeira.
Ex-vereador do município de Santa Quitéria
De acordo com as investigações sobre o assalto, “Mosquito” teria fornecido o armamento, de grosso calibre, para a quadrilha efetuar o roubo na agência bancária.
Periculosidade - A defesa do ex-vereador havia ajuizado outros cinco habeas corpus, alegando não existir razões para mantê-lo na prisão, afirmando que esta não preenchia os requisitos legais.
Ao julgar o mérito do habeas corpus, o relator, desembargador Raimundo Melo, entendeu que, além da alta periculosidade, “Mosquito” já responde a outro processo por crime de roubo a banco, no Estado do Pará.
“O crime de roubo é cometido mediante grave ameaça e violência contra a pessoa e por isso deve ser repelido e energicamente punido”, ressaltou Melo, que, no seu voto, foi acompanhado pelos desembargadores Bayma Araujo e Benedito Belo.

Quilombolas voltam a ocupar sede do Incra no Maranhão

Setenta comunidades quilombolas oriundas da Baixada Maranhense, do Vale do Itapecuru, de Brejo e do Baixo Parnaíba, voltaram a ocupara, na manhã de ontem (20), a sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária no Maranhão (Incra-MA), localizado na Avenida Santos Dumont – Bairro do Anil. Eles reivindicam o cumprimento do acordo firmado, no ano passado, no qual ficou acordada a confecção de 54 Relatórios Antropológicos (RTP) para 2012.
De acordo com Diogo Cabral, advogado da Comissão Pastoral da Terra no Maranhão (CPT-MA), em novembro de 2011 foi assinado um acordo com o presidente do Incra nacional, Celso Lisboa Lacerda, onde foi determinada a confecção de 54 Relatórios Antropológicos (RTP), para o ano de 2012. O documento, conforme explicou Diogo Cabral, é essencial no processo de titulação das terras. “Sem ele, o processo não anda”, completou o advogado.
Foto: G. Ferreira
Quilombolas pretendem ficar acampados no Incra por tempo indeterminado
Em fevereiro, segundo Diogo Cabral, o superintendente regional do Incra, no Maranhão, José Inácio Sodré Rodrigues, durante uma reunião com os quilombolas, afirmou que estava esperando apenas a abertura do orçamento de 2012 para dar início aos trabalhos. Entretanto, dois dias depois dessa reunião, os quilombolas de Cruzeiro, no município de Palmeirândia, estiveram reunidos com o procurador da República Alexandre Soares; e, na ocasião, o grupo teve acesso a um documento enviado pelo Incra nacional para a Procuradoria da República que determinava a realização de apenas nove Relatórios Antropológicos. “Ainda existe outro agravante. Esses nove são oriundos de decisões judiciais. Eles não constam no acordo firmado no ano passado”, revelou Diogo Cabral.
Outro motivo para a nova ocupação quilombola diz respeito à questão da violência no campo, que persiste, apesar das pressões feitas pelo movimento. “A violência é algo sistemático e o governo é omisso a isso. Apesar de 24 pessoas terem sido encaminhadas para a inclusão no programa de proteção à testemunha, nada foi feito até agora para assegurá-las”, afirmou o advogado da CPT.
Uma reunião teria sido agendada com os líderes das comunidades quilombolas, a Pastoral da Terra e o superintendente José Inácio Sodré, para a manhã de ontem, a fim de que o Incra desse uma resposta a respeito deste impasse. Entretanto, segundo informou Diogo Cabral, o superintendente desmarcou o encontro. “A ocupação vai continuar por tempo indeterminado até que ocorra uma nova negociação”, garantiu Diogo Cabral.
Vítimas do conflito – Givanildo de Nazaré Santos Regis, de 32 anos, coordenador do Movimento Quilombola do Maranhão (Moquibom), contou que, desde outubro de 2011, começou a ser ameaçado de morte por Nilton De Jesus Miranda da Silva, conhecido como “Peleco”. Segundo o líder quilombola, o conflito na comunidade Mariano, iniciou quando Nilton construiu uma casa na localidade e começou a matar e comer as criações das famílias que viviam no lugar, alegando que era dono da terra e que, por esse motivo, tinha direitos sobre ela. “Ele me perguntou, uma vez, se eu sabia qual o risco que estava correndo, coordenando o movimento. E falou que um dia eu irei pagar, afirmando que vai me armar uma bem feita”, revelou a vítima, que também contou que um homem identificado como Cláudio, o “Codoca”, já teria sido pago para lhe matar.
Na comunidade conhecida como Aldeia Velha a situação não é diferente. O conflito teria sido iniciado pelo fato de o fazendeiro Ivanilson Pontes de Araújo, alegando ser o dono da terra, ter deixado seu gado solto, destruindo as plantações de subsistência das famílias quilombolas.
No último dia 3 de janeiro, João Batista de Mesquita, liderança quilombola de Aldeia Velha, teria sofrido um atentado. Ele foi seguido por dois homens em uma motocicleta quando voltava de uma audiência que foi realizada em Itapecuru. Na ocasião, ele conseguiu escapar porque se escondeu no mato, após despistar os acusados ao pegar uma estrada de ferro. “Eu escutei ainda eles conversando. Um deles disse para o outro que eu tinha fugido, mas que amanhã ou depois eles iriam me agarrar e completar o serviço”, contou João Batista.

Dois prefeitos sofrem atentados

Os prefeitos de Grajaú, Mercial Arruda, e de Maracaçumé, José Francisco Costa de Oliveira, foram vítimas de atentado no interior do Estado. Dois homens ainda não identificados efetuaram disparos de armas de fogo contra a casa do prefeito Mercial Arruda, na cidade de Grajaú.
O atentado contra o prefeito José Francisco Costa de Oliveira, também conhecido como Franco de Oliveira, ocorreu, segundo a Polícia Civil, quando ele chegava a sua fazenda, no interior de Maracaçumé. Um homem não identificado disparou pelo menos 10 tiros contra o carro do gestor da cidade, que nada sofreu

Jovem é encontrado acorrentado por policiais durante apreensão de 'loló'

Jovem é filho do "Zé do Forró", dono do clube, onde a polícia fez a apreensão da droga, arma e dinheiro.

SÃO LUÍS - A equipe de capturas do 7º Distrito Policial (Turu) resgatou, na manhã desta terça-feira, (, um jovem que há 15 dias estava acorrentado dentro de um bar, no bairro Vila Luizão. Willame Florêncio da Silva, de 23 anos, segundo a Polícia Civil, tem várias passagens por tráfico de drogas e roubos e teria sido encarcerado pelo pai, dono da casa de eventos "Zé do Forró". No local, foram apreendidos armas, quase R$ 3 mil em dinheiro guardado e ainda cerca de mil frascos de "loló" vazios.
"Desde dezembro do ano passado, vínhamos recebendo denúncias de moradores da Avenida Luizão que indicavam o bar "Zé do Forró" como ponto de consumo de drogas, circulação de bandidos armados e refúgio de criminosos, oriundos daquela área. Diante das informações, representamos pela ordem de busca e apreensão no estabelecimento, que foi expedida pelo juiz José Ribamar de Oliveira Júnior", explicou o delegado Paulo Márcio Tavares, titular do 7º DP, que comandou a operação.
Na chegada dos policias, Willame Florêncio da Silva foi encontrado preso com uma corrente de aproximadamente 10 metros. No local, a polícia foi informada de que a vítima estava naquela condição porque teria furtado 10 grades de cerveja do pai, José Florência da Silva, o Zé do Forró, e que este foi quem teria acorrentado o filho. O comerciante, porém, não foi encontrado e está sendo procurado pelos crimes de cárcere privado, tráfico de drogas e posse ilegal de arma de fogo.
"Encontramos dois revólveres calibre 38, municiados, em um dos quartos do comerciante. Como ele não se encontrava, conduzimos sua companheira, Natália Dayana Pessoa Soares, de 20 anos, que, segundo a polícia, desfruta do lucro de venda no estabelecimento, inclusive do 'loló'. Ela prestou depoimento e foi autuada em flagrante pela posse ilegal das armas de fogo.
Segundo o delegado Paulo Márcio Tavares, Zé do Forró, assim como o filho, tem passagens pela polícia. "Ele responde por quatro processos na Justiça, sendo um deles por porte ilegal de arma de fogo e outro por crime contra a vida. Ainda não sabemos se é por homicídio ou tentativa de homicídio. O certo é que o comerciante, neste momento, se configura como um contribuinte do tráfico de drogas da Vila Luizão, que precisa ser preso", concluiu Tavares.

Vasco encara Libertad preocupado com polêmicas

Foto: Marcelo Sadio/vasco.com.br
RIO DE JANEIRO - Quando pisar no gramado de São Januário, nesta quarta-feira, às 22h, para enfrentar o Libertad-PAR, pela Copa Libertadores, o Vasco terá pela frente uma partida com todos os ingredientes típicos de uma decisão: necessidade iminente da vitória, clima tenso, catimba e pressão da torcida. Situações que mostram bem a atmosfera da principal competição do continente, agravada pelos episódios ocorridos na última semana.
No primeiro confronto entre os times, Dedé e Renato Silva sofreram insultos racistas: foram chamados de 'macacos' após a partida disputada em Assunção. Além disso, o clima ficou pesado no segundo tempo assim que Diego Souza foi expulso. Troca de empurrões e muita discussão. Passagens que foram tema principal do discurso vascaíno durante os últimos dias. E que precisam ser derrotadas junto com a equipe adversária.
“O jogo teve aquela característica de pressão mesmo. Conversei com alguns jogadores e passei que o nosso envolvimento precisa ser apenas na partida. Tudo o que está em volta é segundo plano. A concentração é no adversário e no que eles podem fazer. Temos que nos preparar para não sermos surpreendidos. Eles estão com uma vontade muito grande por tudo o que representa enfrentar o Vasco e os acontecimentos do jogo de lá. Isso tudo temos que transformar em eficiência. Com isso, temos grandes chances de sucesso”, afirmou o técnico Cristóvão Borges.
Líder do grupo 5 com sete pontos, o Libertad está em situação confortável e uma vitória praticamente coloca os paraguaios na próxima fase. Em contrapartida, o futuro do Vasco em caso de tropeço estará em risco. O time carioca soma quatro pontos. No entanto, encerra a campanha na primeira fase em dois jogos fora de casa contra Alianza Lima-PER e Nacional-URU. Fator que aumenta consideravelmente a responsabilidade para deixar São Januário com os três pontos no bolso.
“A Copa Sul-Americana nos deu uma experiência boa. Cada jogo é um momento, mas procuramos trabalhar bastante em cima do que imaginamos que pode acontecer. No Paraguai, o Libertad só veio para cima quando o Diego Souza foi expulso. Acreditamos que eles jogarão fechados mais uma vez. Sabemos da importância da vitória, não será um jogo fácil, mas o Vasco vai buscar o resultado desde o primeiro minuto”, encerrou o treinador.
Como de costume, Cristóvão Borges não definiu o time. Porém, existe a tendência de que Juninho Pernambucano fique no banco de reservas. Felipe e Allan podem ser os armadores do time. Outra opção é a entrada de Eder Luis formando um trio de atacantes com Willian Barbio e Alecsandro

Banco do Brasil abre concurso para cadastro de nível médio e superior

SÃO PAULO - O Banco do Brasil abriu concurso para formação de cadastro de reserva em cargos de nível médio/técnico e superior da carreira de Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (Sesmt). Os salários variam de R$ 3.163,73 a R$ 7.499,75.
As vagas são para as dependências localizadas nas capitais de todos os estados e em Ribeirão Preto (SP).
Os cargos de nível superior são para engenheiro de segurança, médico do trabalho e enfermeiro do trabalho. Os salários são de, respectivamente, R$ 7.499,75, R$ 5.800,33 e R$ 4.921,35.
As vagas de nível médio/técnico são para técnico de segurança do trabalho e auxiliar de enfermagem do trabalho. Os salários são de, respectivamente, R$ 4.089,79 e R$ 3.163,73.
Os candidatos classificados vão assinar um contrato individual de trabalho em regime celetista, pelo prazo de 30 dias para experiência. Após esse período, o contrato passa a vigorar por prazo determinado e o funcionário vai integrar a carreira Sesmt.
As inscrições devem ser feitas a partir das 10h do dia 26 de março até as 14h do dia 13 de abril pelo site www.concursosfcc.com.br. A taxa é de R$ 47 para nível médio/técnico e R$ 87 para nível superior.
As provas objetivas, com 30 questões de conhecimento básico e específico, e as provas discursivas estão previstas para o dia 13 de maio, no período matutino, e terão 4h30 de duração.
Os exames serão aplicados nas cidades de Belém, Manaus, Macapá, Palmas, Porto Velho, Rio Branco, Roraima, Salvador, Maceió, São Luís, Fortaleza, João Pessoa, Recife, Teresina, Natal, Aracaju, Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis, Rio de Janeiro, Vitória, Belo Horizonte, São Paulo, Ribeirão Preto (SP), Brasília, Goiânia, Campo Grande e Cuiabá.

Colisão entre carreta e automóvel mata três pessoas na BR-316

Acidente aconteceu na madrugada desta quarta-feira entre as cidades de Peritoró e Codó.

SÃO LUÍS – Três pessoas morreram em um acidente na BR-316 na madrugada desta quarta-feira (21). De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), um automóvel Fiat (OCT-2752/CE) colidiu frontalmente com uma carreta (MUD-4281/PE) na altura do Km 429, nas proximidades do povoado São João das Neves, entre as cidades de Peritoró e Codó, por volta das 5h30.
No automóvel estavam quatro pessoas. Três delas morreram no local e uma foi socorrida e levada em estado grave ao hospital.
As causas do acidente estariam relacionadas a uma tentativa de ultrapassagem indevida por parte do condutor do automóvel.
A PRF confirmou apenas os nomes de duas vítimas que seriam naturais do Ceará. Tratam-se de Antônio Weverson Leite Souza, de 21 anos, e João Barros Lima, de 24 anos.

Ministério do Meio Ambiente declarou estado de emergência por risco de queimadas no MA

A medida foi publicada no Diário Oficial da União vale de abril de 2012 a abril de 2013.
SÃO LUÍS - O Ministério do Meio Ambiente declarou nessa terça-feira (20) estado de emergência ambiental em 18 Estados pelo risco de queimadas e incêndios florestais. Entre os Estados está o Maranhão.
A medida foi publicada no Diário Oficial da União vale de abril de 2012 a abril de 2013. O período do estado de emergência foi estabelecido para as diferentes regiões geográficas de acordo com a época da seca.
O momento mais crítico será de abril a dezembro de 2012, quando 14 Estados entraram na lista.
O Ministério autorizou o Ibama para realizar a contratação temporária de até 2.520 brigadistas para combater incêndios, com a condição de que haja dotação orçamentária.
Segundo o Ministério, essa contratação será necessária para o atendimento de emergências ambientais relacionadas a incêndios florestais e queimadas.