segunda-feira, 6 de maio de 2013

Homem é morto a facadas no Parque Santa Lúcia

Mauro Sérgio foi encontrado em um terreno baldio. PM desconhece as motivações do assassinato.
IMPERATRIZ – Mauro Sérgio Lima de Sousa, de 22 anos foi morto a facadas na manhã de hoje (5). O corpo foi encontrado na Rua São Francisco, no bairro Parque Santa Lúcia e, próximo ao corpo foram encontradas algumas garrafas de bebida. O Instituto Médico Legal (IML) esteve no local e removeu o corpo.
Segundo informações da Polícia Militar (PM), a vítima e os dois suspeitos de cometerem o crime, que seriam amigos, estavam bebendo desde ontem. A PM, ainda, não sabe as motivações do assassinato.
A Polícia está fazendo buscas na região do crime para tentar prender os acusados que foram identificados como Wanderson, conhecido como "Júnior zoião" morador do bairro Vila Fiquene, e Manoel da Silva, morador do bairro Ayton Sena. Esse foi o segundo homicídio registrado esse mês em Imperatriz.

Cinco homicídios no primeiro fim de semana de maio em São Luís

Marcelo Lobato foi morto por causa de um isqueiro, em um comércio na Vila Palmeira.
 
SÃO LUÍS - No primeiro fim de semana de maio, cinco homicídios foram registrados nos plantões de polícia em São Luís. Um deles foi o do ajudante de pedreiro Caio Rodrigo da Silva Assunção, 18 anos, morador do São Cristóvão, cujo corpo foi encontrado na Base Aérea, próximo ao Parque Independência, no mesmo bairro. Segundo informações dos policiais da Delegacia da Cidade Operária, onde foi feito o registro do caso, o crime foi motivado por um acerto de contas entre traficantes e usuários de drogas.

Segundo uma testemunha, identificada como Ivaldo Silva Corrêa Junior, também de 18 anos, Caio o havia convidado, no sábado, para ir à Base Aérea, sem explicar o motivo. Os dois pularam o muro de um terreno baldio, próximo à avenida que dá acesso ao Parque Independência, e encontraram cinco pessoas no local, sendo três homens e duas mulheres. Dois deles foram identificados como Alexandre e Ítalo.

Em seu relato à polícia, Ivaldo disse que eles cumprimentaram Caio e o chamaram para um canto, onde sacaram uma arma sob ameaças. Instantes depois, os suspeitos teriam disparado vários tiros em direção aos dois amigos, que saíram correndo. Ivaldo correu para um matagal e não viu para que direção foi o amigo. De onde estava, escutou 10 tiros, antes de pular novamente o muro e correr para casa, onde chegou assustado.

Ivaldo contou para os familiares o ocorrido e pediu que os primos fossem até o terreno procurar por Caio. Mas nada encontraram. No dia seguinte, depois de contar o fato a parentes do desaparecido, o pai de Caio chamou uma guarnição da polícia para procurá-lo, já que ele não havia dormido em casa.

Durante as buscas, moradores encontraram o corpo da vítima, que foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML). De acordo com a polícia, Caio e Ivaldo eram usuários de drogas, e Alexandre e Ítalo, traficantes da área do São Cristóvão.

Mais crimes

No sábado, também foi comunicado o assassinato de Jefferson Pereira Alves, morador da Vila Palmeira. Segundo relato do irmão da vítima, Marcelo Lobato, que comunicou o caso ao Plantão Central da Beira-Mar, três homens desconhecidos discutiram com a vítima por causa de um isqueiro, o que teria motivado o crime. A discussão ocorreu no comércio Dona Ângela, na Vila Palmeira. Dois dos três autores do crime foram identificados como Naldinho e Belo. Ambos são moradores do Barreto. Segundo depoimento, Jefferson era dependente químico e já havia sido internado em hospital psiquiátrico.

Também foi encontrado morto no Povoado Santana, no bairro Janaína, um homem identificado como Leandro Soares de Jesus. O corpo estava com um saco plástico na cabeça e uma corda enrolada no pescoço. A polícia ainda está investigando o caso.

No Bairro de Fátima, um homem identificado por 'Martiniano' foi alvejado com seis tiros. Ele estava bebendo com amigos no bar da Jaci. Três homens invadiram o estabelecimento e dispararam contra as pessoas. 'Martiniano' morreu no local. Quatro pessoas também foram baleadas e levadas para o hospital Djalma Marques, o Socorrão I.

Depósito de armas do 24º Batalhão de Caçadores é invadido

Homens, ainda não identificados, invadiram, na noite desse domingo (5), o depósito e levaram cinco binóculos.
 
SÃO LUÍS – Por voltas das 21h30 deste domingo, (5), o depósito de armas do 24º Batalhão de Caçadores foi invadido por homens ainda não identificados.

De acordo com a assessoria do Batalhão, cinco binóculos foram roubados de do interior de uma barraca quando estava sendo realizado um exercício de treinamento dos soldados incorporados em 2013.

O Comando do 24° Batalhão de Caçadores determinou a abertura de Inquérito Policial Militar (IPM) e medidas de busca do material. A Polícia Militar e a Polícia Civil estão apoiando as operações do 24º Batalhão de Caçadores na captura dos responsáveis.

Testemunhas do Caso Décio Sá começam a ser ouvidos nesta segunda-feira

Mais de 55 pessoas serão ouvidas entre os dias 6 de 10 de maio, no Salão de Júri do TJMA.
SÃO LUÍS - As 15 testemunhas de defesa e acusação arroladas pelo Ministério Público (MP), entre elas, jornalistas, blogueiros, empresários, políticos, familiares, amigos e colegas de trabalho de Décio, além dos acusados no processo do assassinato do jornalista Décio Sá já se encontram no Salão do Júri, no Anexo do Fórum Desembargador Sarney Costa, no Calhau.

O assassino confesso Jhonatan Sousa Silva e os principais suspeitos de serem mandantes, o empresário Gláucio Alencar Pontes de Carvalho, o pai dele, José de Alencar Miranda de Carvalho e José Raimundo Sales Chaves Júnior, o "Júnior Bolinha".


De hoje (6) até sexta (10) mais de 55 pessoas serão ouvidas pelo juiz Márcio de Castro Brandão, titular da 1ª Vara do Tribunal do Júri de São Luís.

Sousa Silva e os principais suspeitos de serem mandantes, o empresário Gláucio Alencar Pontes de Carvalho, o pai dele, José de Alencar Miranda de Carvalho e José Raimundo Sales Chaves Júnior, o "Júnior Bolinha".

Em entrevista ao repórter Domingos Ribeiro, da rádio Mirante AM, o advogado de defesa de Glácio Alencar, e do pai dele, José Miranda, identificado por Adriano Cunha, afirmou sobre a possibilidade de suspensão da audiência desta segunda-feira, (6), devido intervenção do advogado de defesa de Ronaldo Ribeiro, [advogado também citado no caso Décio Sá]. O juiz Márcio de Castro Brandão, vai acatar ou não o pedido.