terça-feira, 14 de agosto de 2012

PRF registra 13 acidentes nas últimas horas no MA

Nas últimas horas foram registrados 13 acidentes nas rodovias federais que cortam o Maranhão.
Destes, sete com danos materiais, três com feridos e três acidentes com mortes.
PRISÃO
Em São Francisco no Km 85 da BR 135, às 22h foi preso o condutor do veículo
corsa, por possuir mandado de prisão em aberto pela justiça de São Paulo. A ocorrência encaminhada para delegacia da localidade.

Incêndio destrói ala inteira e provoca pânico no Hospital Carlos Macieira

Um incêndio destruiu ontem (13) uma ala inteira do Hospital Carlos Macieira, conhecido também como Hospital do Ipem, localizado na Avenida Jerônimo de Albuquerque, no Calhau, em São Luís.
Segundo o secretário adjunto da Saúde, José Márcio Leite, primeiro representante da Secretaria Estadual de Saúde (SES) a chegar ao local, o incêndio começou às 9h30, no arquivo da farmácia (1º andar), e se espalhou rapidamente pela ala, devido à alta combustão dos produtos químicos existentes na farmácia.
Foto: Francisco Silva
Homens dos Bombeiros utilizam guindaste para chegar ao foco do incêndio
Foto: Francisco Silva
Paciente é retirado às pressas do interior do hospital
Foto: Francisco Silva
Movimentação de funcionários e familiares dos pacientes foi intensa na parte externa do hospital
Em meio a muita fumaça, que logo tomou conta dos cinco andares do hospital, os mais de 400 pacientes internados no hospital – muitos deles idosos – foram retirados e levados à parte externa (com alguns deixados em colchões, embaixo de árvores), de onde foram transferidos para o Hospital Geral e outras unidades hospitalares de São Luís, como o Hospital Universitário Presidente Dutra, Socorrão 1, unidades de pronto atendimento (UPAs) e alguns hospitais da rede privada.
Com a insuficiência de macas, até cadeiras comuns, de escritório, foram usadas para transportar os pacientes.
Faltou água, e os bombeiros só conseguiram controlar o sinistro às 12h30, com a ajuda de voluntários e de caminhões com água de empresas particulares. O Carlos Macieira não conta com Brigada de Incêndio.
Foto:Francisco silva
Corpo de Bombeiros teve dificuldade para apagar o fogo, devido à falta de estrutura
Foto: Francisco silva
Estudantes da academia da PM e voluntários retiram paciente em maca improvisada com cadeiras
“Foi um Deus nos acuda, pois tivemos que remover no ‘braço’ e às pressas os pacientes internados. E para piorar o carro do Corpo de Bombeiros não veio abastecido com água suficiente e teve que retornar. Foi então que o fogo se alastrou ainda mais”, contou um funcionário.
Policiais militares, cadetes da PM, Defesa Civil, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e Grupo Tático Aéreo (GTA) também participaram da retirada dos pacientes e de documentos e equipamentos do hospital.
A direção da casa de saúde informou que não houve registro de feridos graves por conta do incêndio, mas o Jornal Pequeno apurou que muitos pacientes da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) tiveram seu estado agravado, pois não puderam contar com a respiração mecânica durante o trajeto da retirada de emergência. Um deles, ao menos, sofreu parada cardíaca e teve de ser reanimado por enfermeiros.
O secretário estadual de Saúde, Ricardo Murad, que estava em Coroatá, chegou ao hospital Carlos Macieira às 11h30 e a partir de então acompanhou o trabalho dos bombeiros de perto, assim como a retirada e a transferência dos pacientes.
Até ontem, não se sabia oficialmente o que teria provocado o incêndio no arquivo da farmácia do hospital.
Pouco depois das 12h, a SES emitiu nota à imprensa, na qual afirmou “lamentar o ocorrido” e “se solidarizar com os pacientes internados no Hospital Carlos Macieira”.
A Secretaria informou que tomou todas as providências “para proteger as vidas e resguardar os internos”.
O Carlos Macieira é o único hospital de alta complexidade de São Luís.
Até a noite de ontem, as causas do incêndio não tinham sido descobertas. Uma equipe de peritos do Instituto de Criminalística do Maranhão (Icrim-MA) esteve, à tarde, no hospital fazendo os primeiros levantamentos; eles irão voltar hoje ao Carlos Macieira para uma nova vistoria, após o término do rescaldo feito pelo Corpo de Bombeiros.
O Corpo de Bombeiros também irá fazer um laudo, que deve ser divulgado no prazo de 15 a 20 dias. As imagens do circuito interno de TV serão analisadas, a fim de descobrir se o incêndio foi acidental ou criminoso. Ontem, os bombeiros fizeram o escoramento da laje do andar onde houve o incêndio, devido a suspeita de desabamento.