quinta-feira, 5 de julho de 2012

Cães da raça pitbull voltam a atacar em São Luís

Pela segunda vez em uma semana foram registrados ataques de cachorros da raça pitbull na capital maranhense. Na manhã desta quarta-feira (4) um espécime tentou atacar um carroceiro na Rua Coronel Paiva, no bairro do Turu. O carroceiro conseguiu se livrar do ataque, mas seu animal foi mordido pelo cachorro, que só foi contido após a intervenção do proprietário da carroça.
De acordo com relatos de pessoas que chegaram logo após o ataque, mas que preferiram não se identificar, o dono do pitbull passeava com seu animal pelas ruas do bairro, quando o cão conseguiu ficar livre da corrente. Logo em seguida ele atacou o carroceiro que estava tirando entulhos da frente de uma casa do bairro. Sem conseguir atingir o carroceiro, o cachorro fez uma nova investida, desta vez mordendo o animal na boca e na parte interna da pata traseira.
Foto: Bruno Alves
Animal foi mordido na boca e em uma das patas
“Eu estava passando e o ataque do pitbull já tinha acontecido. O carroceiro disse que o cachorro se soltou e teve que subir na carroça para não ser atacado, quando o pitbull mordeu a jumenta e ele teve que bater no cachorro para ele soltar o animal. Aí conseguiram prender o cachorro”, disse uma das pessoas que passava no local no momento do ocorrido.
O ataque assustou os moradores do bairro, que não escondem a preocupação. Um funcionário público que mora na rua onde aconteceu o ataque, pede apenas para que os donos passem a colocar a focinheira em seus animais.
“A gente não quer que proíba a criação desses cães. O que a gente quer é que os donos se conscientizem e quando saírem com os cachorros coloquem a focinheira”, afirmou o servidor.
O carroceiro e os donos do pitbull não quiseram falar sobre o assunto e entraram em um acordo. Os donos do cachorro irão arcar com o tratamento do animal atingido e pagar as diárias do carroceiro no período em que ele ficar sem trabalhar, por causa do ocorrido.
Morte
No último dia 27, a faxineira Zenailde Rodrigues, de 45 anos, conhecida como Dona Zezé, foi atacada por um cachorro da mesma raça, no bairro da Madre Deus, após terminar a limpeza de uma casa. Zenailde teve parte do rosto dilacerado e foi internada no Socorrão II, onde seria submetida a uma cirurgia para reconstrução facial.
Entretanto a faxineira não resistiu aos ferimentos e morreu na última segunda-feira (2). Além disso, o pitbull também atacou a idosa Edinólia, mãe do dono do cachorro. A idosa sofreu apenas ferimentos leves e se recupera em casa.

Laudo da reconstituição deve sair em dez dias

Por ser muito grande e detalhado, a conclusão do laudo exime mais tempo.
SÃO LUÍS – Segundo o diretor do Icrim, Carlos Henrique Roxo, o laudo que será elaborado após a reconstituição do assassinato do jornalista Décio Sá, realizada nessa terça-feira (3), poderá ser divulgado dentro de 10 dias. “Trata-se de um laudo muito grande e que deve ser bem detalhado dado os diferentes aspectos que compõe o momento o crime. Por isso, vai demorar um pouco para que fique pronto. Acredito que podemos conseguir que ele seja concluído em até 10 dias”, afirmou.
A reconstituição foi realizada em quatro momentos e em três locais diferente. O primeiro momento, por volta das 16h, foi em frente ao Sistema Mirante, local em que Jhonathan de Souza Silva observou a chagada do jornalista no local de trabalho. O segundo local foi em um quiosque na Ponta da Areia, onde Jhonathan bebeu uma água de coco e se encontrou com um comparsa. De lá, ele seguiu para um sítio no Araçagi, que seria uma propriedade de Bolinha. À noite, a equipe de reconstituição refez o momento em que o jornalista sai do trabalho e é seguido por Jhonathan. Por fim, eles refizeram o assassinato de Décio Sá e a fuga pelas dunas do assassino confesso.
Comportamento
O comportamento frio de Jhonathan de Souza Silva durante toda a reconstituição surpreendeu a imprensa e curiosos que acompanhavam a reconstituição. O delegado Marcos Afonso Júnior, que coordena a equipe responsável pelas investigações do assassinato do jornalista, disse que durante os depoimentos o comportamento do assassino confesso foi da mesma forma.
“Ele é muito frio é um comportamento que surpreende a todos. Faríamos uma avaliação psicológica se os inúmeros assassinatos cometidos por ele não tivesse o único intuito de obter dinheiro. O que confirma que os crimes não foram cometidos por um instinto assassino ou um desvio psicológico como acontece com os assassinos seriais”, explicou Marcos Afonso.

Soldador morre vítima de acidente de trabalho em Açailândia

Operário fazia uma vistoria na construção de galpão quando caiu de altura de quatro metros.

SÃO LUÍS – Um homem morreu vítima de acidente de trabalho no polo siderúrgico de Açailândia, a 600 km de São Luís. A vítima, identificada como Valdeane Silva de Almeida, trabalhava como soldador na empresa Serralheria Betel, de Imperatriz, contratada para construir um galpão para a usina Gusa Nordeste.
O operário fazia uma vistoria no momento do acidente. Ele usava os equipamentos de segurança quando caiu de uma altura de quatro metros, mas o cabo-guia não estava amarrado corretamente.
Valdeane Silva foi levado ao Hospital Municipal de Açailândia, mas não resistiu e morreu. Em nota, a Gusa Nordeste trata o acidente como uma fatalidade e afirma que esse é o primeiro acidente fatal registrado nos últimos dez anos. A Serralheria Betel não se pronunciou sobre o assunto. As causas do acidente serão investigadas.

Para DNIT, duplicação da BR-135 começará este ano

O DNIT aguarda a autorização da direção nacional do órgão para iniciar as obras de duplicação.
 
Após informações de que haveria um novo atraso no início das obras para a duplicação da BR-135, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes no Maranhão (DNIT/MA) anunciou que, apesar da paralisação na última etapa da licitação, que previa a abertura do envelope com a proposta de preço a ser apresentada pelo consórcio Serveng/Terpa - único habilitado para pleitear a obra -, são grandes as possibilidades de os serviços começarem ainda este ano. O superintendente do DNIT/MA, Gerardo Fernandes, disse que a paralisação no processo licitatório, de acordo com a Lei 8.666/93, é justificada em razão da análise dos documentos encaminhados pela empresa vencedora do consórcio, o que propiciou a demora na conclusão do processo. “Segundo a lei, caso haja qualquer dúvida na legitimidade dos documentos repassados pela empresa vencedora do processo, a licitação é suspensa temporariamente até que tudo seja analisado. Por enquanto, oficialmente, a direção nacional do DNIT ainda não nos deu um prazo para finalização dessa análise”, declarou

Presidente da Funac defende mais segurança na unidade

Em menos de um mês, 25 adolescentes internos fugiram da Unidade de Ressocialização da Funac.
SÃO LUÍS – Em menos de um mês, vinte e cinco adolescentes internos fugiram da Unidade de Ressocialização de Adolescentes Infratores da Fundação da Criança e do Adolescente (Funac), na Maiobinha, em São Luís. Neste ano, outras 45 fugas foram registradas. O Ministério Público chegou a recomendar a interdição da unidade. Em uma reunião realizada na terça-feira (3), na sede da Funac, entre representantes da instituição, governo do Maranhão e Polícia Militar, foi estudada a presença de policiais militares no Centro da Juventude Esperança (CJE), unidade de internação masculina da Funac.
A presidente da Funac, Floripes Pinto, defende maior apoio da Secretaria de Segurança Pública (SSP) à unidade. "Há falta de segurança na Funac, esse é um fato que a gente não pode maquiar, de forma alguma. Agora, a questão da segurança é um conjunto de fatores, que vai desde a questão da estrutura física, que nós já estamos sentando com a Sinfra (Secretaria de Estado de Infraestrurutra) e Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Cidadania para fazer valer a determinação da governadora do Estado, que é da reforma e ampliação da estrutura física da unidade. Essa reforma não pode ocorrer de forma simples, ela tem que respeitar as diretrizes nacionais, inclusive as diretrizes legais, com questões que vão desde a distribuição do espaço físico, a questão das medidas dos cômodos e que permita, além do trabalho pedagógico, uma distribuição dos adolescentes, respeitando a compreensão física, faixa etária, nível do atendimento social e educativo e da gravidade do ato infracional. Outra questão é essa articulação, que nós já estamos em processo com a Secretaria de Segurança Pública, para garantir o aparato necessário para as intervenções policiais quando necessários. Outra questão é o quadro de servidores da unidade, tanto em quantidade quanto no nível de capacitação, de preparo, para conduzir esse tipo de atendimento", disse em entrevista ao Imirante nesta quinta-feira (5).
Floripes Pinto, atribui, ainda, os problemas na Funac ao quadro de funcionários, que não é, em grande parte, efetivo. Ela acredita que a realização de concurso público possa ajudar na melhoria do serviço prestado pela unidade. "Nós temos um conjunto de problemas. Nós temos poucos servidores efetivos. Então, quando nós temos vínculos temporários, nós corremos o risco de perder um bom funcionário. Nós temos os servidores que não tem aquele compromisso com o trabalho, prova disso são os boicotes, as condutas irregulares, etc. No entanto, já há uma sinalização do governo do Estado quanto à realização de concurso público, tanto que a Seplan ( Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Gestão) fez um levantamento de quantidade de vagas necessárias e nós estamos aguardando a implementação do plano de cargos e carreiras do Estado, que já foi aprovado. Penso eu, esse será um fator que vai contribuir muito na melhoria da qualidade do atendimento", afirma.
Na reunião da terça-feira, também, ficou agendada uma visita do gestor do projeto "Jovens Construindo a Cidadania" (JCC), capitão Samuel White, da Polícia Militar, mas dependências do CJE. A visita ocorreu nesta quarta-feira (4). Nos próximos dias, deve ocorrer, ainda, uma reunião de representantes da Funac com o comando do 6º Batalhão de Polícia Militar (BPM) para definir novas estratégias de segurança de internos e funcionários.

Caso Décio: mais um deputado é citado em depoimento na AL

Negociações” da deputada Gardênia Castelo com agiota são citadas em depoimento.
 
O surgimento do nome da deputada estadual Gardênia Castelo (PSDB) entre os citados em depoimentos de envolvidos no assassinato do jornalista Décio Sá eleva para três o número dos parlamentares supostamente envolvidos com a quadrilha que a Polícia Civil diz comandar a agiotagem no Maranhão.

Corinthians vence o Boca e fatura a Libertadores

Com dois gols de Emerson, Timão conquista a América pela primeira vez.
SÃO PAULO - Vai, Corinthians! Vai para as ruas, vai para o abraço do torcedor que te ama, vai para o pódio, vai levantar a taça que você tanto sonhou... Vai atravessar o mundo. Vai para o Japão!
Cássio, Alessandro, Chicão, Leandro Castán, Fábio Santos, Ralf, Paulinho, Alex, Danilo, Jorge Henrique, Emerson, Julio Cesar, Danilo Fernandes, Welder, Marquinhos, Wallace, Ramón, Willian Arão, Ramírez, Douglas, Romarinho, Gilsinho, Willian, Elton, Liedson e Tite. Nomes que não estarão em livros de História, mas estarão eternamente dentro dos corações e da memória de milhões de pessoas, que ensinarão aos filhos e netos quem foram eles, e o que foi o 4 de julho de 2012 para a nação corintiana.
A vitória por 2 a 0 sobre o gigantesco Boca Juniors, de tradições e glórias mil, de seis títulos sul-americanos, torna ainda mais gigantesca a conquista inédita. A taça da Libertadores, enfim, tem uma plaquinha do Corinthians. Uma certeza que tomou conta da cidade de São Paulo desde o amanhecer. Cada minuto no relógio significava que estava mais próximo o momento de tirar do peito as tristezas e agonias de um passado recente.
Triunfo que selou campanha com identidade. De um time sem estrela, que não se assustou com placares adversos, rivais tradicionais ou craques do outro lado. Que não se pressionou por nada e encontrou o equilíbrio (palavra idolatrada por Tite) entre lutar a cada centímetro de grama pela Libertadores sem tratá-la como um campeonato do outro mundo.
De 6 a 16 de dezembro, o Corinthians tentará o bicampeonato mundial. Dessa vez, sem convite, sem a chance de enfrentar um brasileiro na final e tendo que ir ao Japão. Bem diferente de 2000, quando bateu o Vasco na final, no Maracanã. Um mundial para ninguém botar defeito. Monterrey (MEX), Auckland City, da Nova Zelândia, e o poderoso Chelsea (ING) já estão classificados para a competição no fim do ano.

Mais luta do que futebol
O Corinthians entrou em campo invicto na Libertadores. O Boca Juniors foi ao Pacaembu sem ter perdido nenhum jogo fora de casa. Jogaço? Lutaço! Os primeiros minutos fizeram inveja a Anderson Silva e Chael Sonnen. Soco de Chicão em Mouche, empurrão de troco, tapa de Erviti em Paulinho... Mais tarde, ainda haveria exibição de "El Tanque" Santiago Silva, com cotovelada em Castán e tentativa de imobilização em Ralf.
Futebol mesmo apareceu pelos pés de Sheik. Com velocidade, ousadia e toques rápidos, o camisa 11 era quem menos tinha medo da decisão. Ousadia que provocou o maior drama do primeiro tempo: um choque entre Somoza e o goleiro Orion.
O camisa 1 do Boca caiu por três vezes no chão e não suportou a dor. Saiu aos prantos, consolado pelo técnico, o ex-goleiro Julio César Falcioni. E por ironia do destino, o reserva Sosa, pouco mais de um ano depois, voltou ao Pacaembu. Era ele o goleiro do Peñarol (URU), que perdeu a final da Libertadores de 2011 para o Santos.
Alex não confiou nem em Orion nem em Sosa. Tentou quatro finalizações de fora da área, sem sucesso. Do outro lado, Riquelme, que antes do jogo tomava água e gargalhava, foi só rascunho do grande jogador que entrou para a história. Era constrangedor seu esforço, em vão, para correr e achar os companheiros, limitados tecnicamente. Fim de primeiro tempo com a certeza de que o segundo não poderia ser pior.
Sheik para a história
O empate levaria o jogo para a prorrogação e Riquelme, que mal conseguia jogar 90 minutos, parecia querer disputar 120. Rolou no chão, demorou para cobrar escanteio, mexeu com o equipamento dos fotógrafos e fez falta digna de jogador juvenil. Na cobrança, a bola esperou por um toque consciente, que veio do calcanhar de Danilo. Sheik, no lugar certo, na hora certa, fuzilou Sosa e deixou o Pacaembu em êxtase.
A vantagem expôs ainda mais a limitação do Boca. Riquelme, em atuação de dar pena, não criou nada. O único recurso, mesmo depois que Falcioni colocou o atacante Cvitanich no lugar do meia Ledesma, eram os cruzamentos. Os argentinos abriram o meio e se cansaram, cenário dos sonhos para o Corinthians garantir o título invicto (oito vitórias e seis empates).
Mouche, sozinho, teve a única boa chance dos visitantes durante o jogo. Cabeceou nas mãos de Cássio. Uma caridade do atacante para que o goleiro, brilhante no mata-mata, pudesse aparecer na decisão. Riquelme, de 34 anos, não era o único "velhinho" cambaleante em campo. Schiavi, aos 39, errou passe fácil no campo de defesa. Deu nos pés de quem não poderia dar. Daquele que nasceu para ser vencedor.
Tricampeão brasileiro nos últimos três anos, Emerson arrancou para a glória definitiva. Deixou Caruzzo para trás como se o rival nem existisse e tocou com categoria. Não parou de correr nem na comemoração, quando foi perseguido pelo preparador físico Fábio Mahseredjian, outro craque desse título.
Daí para frente foi só festa. O Boca não tinha mais o que fazer e os "antis" já nem secavam mais. A torcida orgulhosa por ter sido fiel e Fiel na Libertadores, viajou por alguns segundos. Lembrou-se do vacilo de Guinei, da cobrança de pênalti de Marcelinho Carioca, do "pega, pega" do Morumbi, do gol de Vágner Love e de ter descoberto quem era o Tolima. Exemplos que invertem a letra do hino. Teu passado é uma lição. Teu presente uma bandeira.
Enquanto os adversários terão de pensar em novas brincadeiras a partir de agora, a torcida grita "É campeão!". Duas palavras que valem mais do que todas escritas acima.