quarta-feira, 18 de julho de 2012

Polícia Civil desarticula quadrilha que assaltava residências

Entre os crimes cometidos pelo grupo está o assalto à residência do vereador Astro de Ogum.


SÃO LUÍS - Denominada Pedra Ametista, a operação deflagrada pela Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), com o apoio da Superintendência de Polícia Civil da Capital (SPCC) prendeu, na terça-feira (17), oito suspeitas de envolvimento com assaltos a residências e a empresas na Região Metropolitana de São Luís. Entre os crimes cometidos pelo grupo, assalto à residência do vereador Astro de Ogum, ocorrido no último dia 6, de onde o bando subtraiu cerca de R$ 350 mil e ainda grande quantidade de joias da vítima.
Eles, também, são suspeitos de assaltar no dia 31 de maio a transportadora Ramos. Do local, a quadrilha levou cerca de R$ 500 mil em mercadorias, entre televisores e aparelhos eletrônicos.
O bando foi apresentado pelo secretário de Segurança Pública, Aluísio Mendes, durante entrevista coletiva concedida à imprensa na sede do órgão na Vila Palmeira. Presentes também, a delegada geral de Polícia Civil, Maria Cristina Resende; o subdelegado geral, Marcos Afonso Junior; a superintendente de Polícia Civil da Capital em exercício, Edilúcia Trindade e delegado titular da DRF, Ronilson Moura.
"Estamos tirando de circulação uma quadrilha bastante violenta. O Sistema de Segurança demonstrou mais uma vez que não irá tolerar nenhum tipo de crime aqui no estado. A Polícia Civil está empenhada em continuar investigando estas práticas e impedir que elas ocorram", garantiu Aluísio Mendes.
O grupo é composto por Ronei Fabrício Barroso Costa, 19 anos. De acordo com a Polícia, ele seria o mentor do assalto. Ronei trabalhou como motorista durante 45 dias com o vereador e conhecia a dinâmica da residência. Com ele, a Polícia encontrou uma quantia de R$ 20 mil que estava enterrada na garagem de sua residência; Raimundo Fagner Araujo Coelho, 28, conhecido como "Zezinho". Com este, a Polícia localizou R$ 4.700 mil, além de um anel de brilhantes e o veículo utilizado no assalto, um Celta Prata;Vanderli dos Reis Bonfim, o "Magrão Lili", de 24 anos. Em poder de "Magrão Lili", foram apreendidas três armas e a quantia de R$ 10 mil na conta de uma irmã. Ela teria cedido à conta bancária para que fosse depositado o dinheiro roubado.
Divulgação
"Conseguimos em poucos dias elucidar mais esta ação criminosa e prender os envolvidos. A sociedade pode ficar segura que a partir de agora estará livre das ações deste bando", comentou a delegada Geral, Maria Cristina Resende.
Compõe o grupo, ainda, Francisco Xavier Nunes Oliveira, de 44 anos, proprietário de uma oficina de caminhões. Ele é cunhado de Vanderli dos Reis e foi o responsável em guardar grande parte do dinheiro roubado, R$ 9.700. O outro integrante é Luan Anderson Costa, 23, conhecido como "Willame". Segundo o delegado Ronilson Moura, ele teria participado diretamente da ação na casa do vereador e teria adquirido uma motocicleta avaliada em R$ 12 mil com o dinheiro do roubo. O veículo está em poder da Polícia.
Os outros integrantes são Luciano da Silva Monroe, conhecido como "Gargamel", de 27 anos; Daniel Oliveira Sousa, de 33. A Polícia confirmou que este último teria participado do assalto a transportadora Ramos, e Jorge Luis dos Santos, conhecido como "Jorge baiano". Ele será indiciado como receptador. Jorge Luis é vendedor de joias na Rua da Paz.
Investigação
"Começamos a investigar a ação do grupo logo depois do assalto a transportadora Ramos. Um fato nos chamou atenção: a quantidade de integrantes que o grupo tinha e o do bando. De posse desta informação iniciamos o monitoramento do grupo e culminou com a identificação e prisão deles", declarou o delegado.
O delegado informou que dois integrantes, conhecidos como Sergio Palázio e outro suspeito de envolvimento identificado como "Sidney", ainda estão sendo procurados. De acordo com o delegado Ronilson Moura, outros dois integrantes, identificados como Jose de Ribamar Pereira Nogueira, conhecido com "Zeca" e outro identificado apenas como "cachorro doido". Segundo a polícia, os dois foram mortos por integrantes do próprio grupo.
As pessoas que foram vítimas da ação do grupo devem procurar a Delegacia de Roubos e Furtos, localizado na Rua da Alegria, Nº. 125, no Centro para fazerem o reconhecimento dos suspeitos.

3 cidades do MA terão Exército na eleição

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já recebeu sete requerimentos de envio de forças federais, tanto para prestar apoio logístico na distribuição de urnas eletrônicas, como no reforço da segurança e manutenção da ordem pública em 17 localidades durante as eleições 2012. O TRE do Maranhão requereu forças federais para São Mateus do Maranhão, Matões do Norte e Alto Alegre do Maranhão.
Os pedidos foram apresentados pelos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) ao TSE com base em solicitações encaminhadas às cortes regionais por juízes eleitorais das localidades. O envio das tropas ainda deve ser analisado pelo Plenário do TSE, em sessão administrativa.
Foto: G. Ferreira
Tropas federais no centro de São Luís nas eleições de 2010
Os requerimentos de envio de forças federais são feitos ao TSE pelo respectivo TRE após este receber solicitação do juiz eleitoral. O pedido encaminhado pela corte regional ao TSE deve apresentar justificativa clara demonstrando a necessidade do emprego das forças federais na localidade durante a eleição.
Tocantins é o estado que lidera no número de pedidos, com o TRE solicitando envio de forças federais para oito localidades (Tocantínia, Aldeias Indígenas Xerente, Rio Sono, P. I Xerente, Brejo Comprido, Aldeias Indígenas Rio Vermelho, Pedra Branca e Cachoeira).
O TRE do Amazonas encaminhou ao TSE requerimentos para as localidades de Manacapuru, Maués, Manicoré, Novo Airão e Coari.
Já o TRE do Rio de Janeiro solicitou que “sejam tomadas as medidas cabíveis no sentido de viabilizar a presença das Forças Armadas, para as eleições do ano em curso, no Estado do Rio de Janeiro”, registrando ser a ação fundamental para a “manutenção necessária para o correto deslinde de todo o processo eleitoral”.
Apoio logístico - Desde 1994, a Justiça Eleitoral conta com o apoio logístico das Forças Armadas para o transporte de materiais e pessoas nas localidades de difícil acesso durante as eleições gerais e municipais.
Para requerer esse apoio, o TSE solicita aos TREs que informem os municípios de difícil acesso que necessitam de ajuda logística nas eleições. O ofício do TSE é encaminhado para a presidente da República, solicitando autorização para prestar apoio logístico aos municípios indicados. Após a presidente da República autorizar, o TSE entra em contato com o Ministério da Defesa para acertar os procedimentos a serem adotados na realização das atividades.
Em seguida, o TSE comunica aos TREs o que foi acertado com o Ministério da Defesa quanto aos procedimentos operacionais que serão colocados em prática. O TSE solicita, então, aos TREs que enviem ao Tribunal relatório detalhado do apoio logístico, contendo a justificativa de cada despesa referente à execução das atividades, para prestação de contas ao Tribunal de Contas da União (TCU) depois da eleição.
O TSE finaliza, então, os procedimentos, após receber dos TREs os relatórios que detalham as atividades desenvolvidas pelo Ministério da Defesa nos municípios.
Na eleição municipal de 2008, 135 localidades de 13 Estados (AC, AP, GO, MS, PA, PE, RO, RR, RS, RJ, SC, MA e SE) solicitaram apoio logístico das Forças Armadas. Já em 2010, as Forças Armadas atuaram em 257 localidades no primeiro turno e 151, no segundo, espalhadas por 12 Estados (AL, AM, AP, MA, MS, PA, PB, PI, RN, RO, SE e TO).