quinta-feira, 31 de maio de 2012

Hackers derrubam rede da Prefeitura de Imperatriz

A rede de computadores da Prefeitura de Imperatriz tem sido vítima de ataques de hakers. Não houve roubo de informações. De acordo com o secretário de Administração, Iramar Cândido, o principal alvo dos invasores tem sido o acesso à internet. Segundo ele, as repetidas quedas do serviço têm atrapalhado o atendimento nos órgãos públicos da cidade.
As maiores dificuldades têm sido verificadas nos postos de saúde. Nos últimos anos, estes locais ganharam autonomia para a marcação de consultas, feitas diretamente via internet. Com os ataques, muitos pacientes não conseguiram agendar seu atendimento. Foi, por exemplo, o que aconteceu no posto de saúde da Nova Imperatriz, na última segunda-feira (28).
Os ataques foram percebidos no último dia 22. Desde então, a empresa que fornece internet à Prefeitura, juntamente com o departamento que cuida desta área na gestão, trabalha na reestruturação das comunicações do município.
“Desde essa data [22 de maio] nós estamos passando por um processo de reestruturação da nossa internet, adotando algumas medidas para coibir este tipo de ação. Ainda restam alguns problemas, pois este processo de invasão não parou. Como temos uma rede muito ampla, enquanto nós estamos controlando e refazendo alguns setores, outros setores ainda estão sofrendo por conta disso. Nesta semana, na segunda-feira, houve uma nova invasão. Isso vem derrubando alguns postos [de saúde], inclusive o da Nova Imperatriz”, explicou o secretário.
Iramar, no entanto, garantiu que o banco de dados da Prefeitura de Imperatriz é seguro e nenhuma informação foi roubada. “A rede é segura. O sistema fornece informação segura. O que aconteceu foi a queda da internet. A nossa internet possui codificação, funciona via rádio, e esses ataques alteraram estes códigos, derrubando a comunicação. Alguns setores do município ficam sem internet até que a equipe reative. Até o momento, não houve invasão de dados, são áreas blindadas”, garantiu.
Os ataques aconteceram no ponto de distribuição da internet, onde a Prefeitura direciona as informações para os demais órgãos do município. Por isso, muitos setores foram imediatamente atingidos.

MPMA pede proibição de venda de novas assinaturas da TIM

Devido à má qualidade dos serviços oferecidos pela empresa TIM de telefonia celular aos consumidores do município de Carolina (a 836km de São Luís), o promotor de Justiça Samarone Batalha Carvalho propôs Ação Civil Pública, em 24 de maio, pedindo a imediata proibição da venda de novas assinaturas, até a resolução dos problemas detectados.
(Foto: Reprodução)
Cabe à Justiça a determinação do prazo para a regularização dos serviços oferecidos pela empresa na cidade.
O MPMA solicita que a TIM ofereça os serviços de forma adequada e eficiente, dentro dos padrões exigidos pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

De acordo com o promotor de Justiça, a área de cobertura do sinal da TIM não atende à demanda dos consumidores de Carolina. Muitas vezes as chamadas não completam, apesar de os aparelhos indicarem a existência do sinal de cobertura. "Tal situação vem gerando desconforto e prejuízos aos consumidores, que estão impedidos de usufruir do serviço pelo descaso e má-fé da empresa. Conclui-se, pois, que há evidente vício de qualidade na prestação dos serviços", declarou Samarone Batalha.

O promotor de Justiça acrescenta que, mesmo diante dos problemas, os consumidores vêm pagando pelo serviço, o que caracteriza patente violação às normas de defesa do consumidor.

Também foi pedido que a TIM apresente no máximo em 30 dias projetos de ampliação da rede, nos moldes a atender as necessidades dos consumidores de Carolina.

A ação propõe uma multa diária de R$ 3 mil caso a empresa não solucione os problemas encontrados dentro do prazo oferecido pela Justiça. Igualmente está prevista uma multa de R$ 5 mil por cada nova linha habilitada.

Por último, foi requerida a condenação da empresa para ressarcir todos os danos materiais e morais causados aos consumidores do município. O valor do reparo deverá ser fixado em sentença de forma individual para cada interessado.

Segundo Samarone Batalha, existem aproximadamente 3.500 ações individuais contra a TIM tramitando no Juizado Especial Civil da Comarca. Há alguns meses, a Promotoria de Justiça de Corolina ajuizou Ação Civil Pública contra a empresa Vivo.

Vacina da gripe já está disponível em shoppings e supermercados de SL

A Secretaria Municipal de Saúde (Semus), por meio da Coordenação de Imunização, informa que nesta semana volta a montar postos móveis para intensificar a cobertura da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe.

Nesta quinta, 31, haverá postos nos shoppings Rio Anil, São Luís e da Ilha, Supermercado Mateus da Cohama e Mix Mateus João Paulo. E na sexta, 1º de junho, além desses, haverá postos de vacinação nos shoppings Jaracaty e Tropical, e Supermercado Mateus Mix Vinhais.

Até esta terça-feira, 29 de maio, foram vacinadas 88.576 pessoas na capital, o que corresponde a 67,67% da população alvo determinada pelo Ministério da Saúde, que compreende idosos, crianças de 0 a menor de 2 anos, gestantes e trabalhadores da saúde.

Em todo o Brasil já foram vacinadas 19,89 milhões de pessoas – o equivalente a 66% do público alvo. A meta, na capital, é vacinar 80% da população alvo. Este ano a campanha tem como tema Proteger e Cuidar.

Monitor é preso com 250g de maconha escondida na cueca no Cadeião

Policiais prenderam na manhã desta quinta-feira (31) no Centro de Detenção Provisória, o Cadeião, um homem foi preso com 250g de maconha escondida na cueca. Ele foi pego durante uma revista.
Luis Magno trabalha no Cadeião como monitor, é funcionário da empresa VTI, que presta serviços de segurança para os presídios.
A polícia acredita que Luis Magno estava levando a droga para algum detento.