sexta-feira, 21 de junho de 2013

Multidão toma as ruas do país em clima de protestos e violência

Segundo estimativas, meio milhão de pessoas foram às ruas de todas as regiões do Brasil. 
São Paulo/Brasília - As manifestações, que levaram mais de meio milhão de pessoas às ruas de todas as regiões do Brasil ontem, deixaram marcas de violência em diversas cidades, que culminaram com a tentativa de invasão do Ministério de Relações Exteriores em Brasília, onde houve princípio de incêndio.
As manifestações foram mantidas mesmo após diversas cidades do país anunciarem, quarta-feira, o recuo no aumento da tarifa de transporte público, reivindicação que deflagrou a onda de protestos por todo o Brasil.
Em Brasília, um grupo do Batalhão de Choque do Exército estava posicionado em frente ao Palácio do Planalto, local que a presidente Dilma Rousseff deixou por volta de 20h30 rumo ao Palácio do Alvorada, sua residência oficial.
Entre os gritos de ordem dos manifestantes ouvidos em Brasília estavam críticas aos gastos públicos com a Copa do Mundo de 2014 e, assim como ocorreu nos últimos dias, a rejeição aos partidos políticos.
"Ordem e Progresso, porque senão eu subo no Congresso", gritavam manifestantes em frente à sede do Legislativo em Brasília, onde 20 mil pessoas participavam do protesto, segundo a Polícia Militar. "Da Copa eu abro mão, eu quero é mais dinheiro para a saúde e educação", cantavam. A cavalaria da PM do Distrito Federal se posicionou para bloquear os acessos ao Palácio do Planalto e ao Supremo Tribunal Federal (STF).
A maioria das manifestações era pacífica, mas, além de Brasília, Salvador também registrou confronto entre a polícia e um grupo de pessoas que tentava furar um bloqueio e ir em direção à Arena Fonte Nova, onde as seleções de Nigéria e Uruguai se enfrentaram pela Copa das Confederações.

Leia mais na edição on-line de O Estado.

Manifestantes ateiam fogo em pneus e interditam BR-010

A rodovia Belém-Brasília só foi liberada por volta da 1h da madrugada desta sexta-feira (21).
 
IMPERATRIZ – Depois de um manifesto pelas ruas do Centro de Imperatriz, um grupo de manifestantes seguiu para a BR-010 e interditaram alguns pontos ao longo da rodovia. Pneus, papelão e paus foram queimados no meio da via impedindo o tráfego de veículos.
Os manifestantes se juntaram e seguiram em direção à ponte sobre o riacho Cacau, entrada da cidade. Lá, um amontado de objetos foi queimado e o trânsito nas três pistas da BR interrompido, o congestionamento chegou a quase 3 km.
Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), foi solicitado o apoio da força tática da Polícia Militar para tentar uma negociação com os manifestantes e liberar o trânsito na Belém-Brasília.
Os manifestantes pediam algum representante da prefeitura para negociar, eles reivindicam, principalmente, a quebra de contrato com a empresa Viação Branca do Leste (VBL), que detém a maior parte do transporte coletivo de Imperatriz.
A rodovia só foi liberada por volta da 1h da madrugada de hoje (21), depois da negociação com a PRF e o acerto de uma reunião às 16h de hoje com representantes da prefeitura e Ministério Público.

Manifestação em ITZ começa pacífica e termina em confusão

Depois um protesto pacífico pelo centro, a manifestação se concentrou em frente à prefeitura.
IMPERATRIZ - A concetração começou às 16h na Praça de Fátima, no Centro da cidade. Rostos pintados, cartazes nas mãos, faixas e muitas palavras de ordem, foi assim que os manifestantes se juntaram asntes de seguir pelas ruas. Por volta das 17h40 as pessoas saíram pelas ruas do Centro de Imperatriz, passando pela Câmara de Veredadores até chegar em frente a prefeitura, local em que ficaram por algum tempo até começaraem a se dispersar.

Durante a concentração dos manifestantes, até a fachada da Catedral de Fátima serviu de espaço para os protestos.
Milhares de pessoas se concentraram na Praça de Fátima, no Centro da cidade, antes de sair pelas ruas em protesto.

Grupos indígenas de aldeias próximas, também, participaram do movimento e pediam a garantia de direitos.

Em frente à prefeitura, a PM teve que usar da força em alguns momentos para afastar um grupo pequeno de vândalos que atiravam objetos contra o prédio da sede do governo municipal.

Matrículas do Sisu podem ser feitas a partir desta sexta-feira

Os candidatos devem fazer a matrícula nas instituições até terça-feira (25).
BRASÍLIA - Começam nesta sexta-feira (21) as matrículas dos candidatos selecionados na primeira chamada do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Os candidatos devem fazer a matrícula nas instituições até terça-feira (25). Os aprovados na primeira opção de curso serão automaticamente retirados do sistema. Caso não façam a matrícula na instituição para a qual foram selecionados, perdem a vaga. A lista dos candidatos selecionados pode ser consultada clicando aqui.
O Sisu foi desenvolvido pelo Ministério da Educação para selecionar os candidatos às vagas das instituições públicas de ensino superior a partir da nota obtida no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A seleção é feita pelo sistema com base na nota obtida pelo candidato.
A segunda chamada deve ser divulgada em 1º de julho, com matrícula nos dias 5, 8 e 9 do próximo mês. Quem não for convocado em nenhuma das chamadas poderá aderir a uma lista de espera, no próprio site do Sisu, entre os dias 1º e 12 de julho. Esses candidatos serão convocados a partir do dia 17 de julho caso haja vaga não preenchida.
O Sistema de Seleção Unificada (Sisu) do segundo semestre deste ano teve 788.819 estudantes inscritos. Nesta edição, foram ofertadas 39.724 vagas em 54 instituições públicas de ensino superior.