sexta-feira, 7 de junho de 2013

Registros de arrombamentos de caixas eletrônicos subiram 90%

O Estado é o 10º do país em registros de assaltos a caixas eletrônicos – dentro e fora das agências. Foram registrados 36 casos ano passado, contra 23 em 2011 – um crescimento 56,52% nos registros. Os dados são pesquisa nacional da Confederação dos Vigilantes. Os casos abrangem tentativas de assaltos e assaltos consumados, além de arrombamentos a caixas eletrônicos. No Brasil, os ataques aos caixas cresceram 50,48% em 2012 com 1.261 ocorrências; em 2011, foram 753 ataques.

Considerando os dados do Sindbancários, o número de assaltos às agências diminuiu em 100%: de 12 casos em 2011 para cinco em 2012. No entanto, os arrombamentos de caixas eletrônicos subiram mais de 90%: em 2011 foram 36 casos e em 2012, 67 ocorrências. Segundo o setor de ocorrências a bancos da Superintendência Especial de Investigação Criminal (Seic), apesar de várias quadrilhas terem sido desarticuladas no estado, o combate a este tipo de crime é mais difícil pela abordagem dos suspeitos ser mais discretos, as ações serem realizadas geralmente à noite, possuem equipes mistas de pessoas da região e que vem de fora e andar com equipamentos como serras e maçaricos, cuja posse não constitui necessariamente crime.

O alto risco de assaltos e insegurança de funcionários e clientes levou à desativação de caixas eletrônicos em parte dos estabelecimentos comerciais, postos de combustíveis e órgãos públicos na capital. Farmácias e supermercados, por exemplo, estão abrindo mão do serviço frente ao perigo que pode causar. O caso mais recente foi o arrombamento de um terminal de caixa eletrônico do Banco do Brasil, que funcionava dentro da Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos (Semosp), na madrugada do último sábado. O equipamento está desativado.

Segundo dados do Sindicato dos Bancários do Maranhão (Sindbancários), de janeiro de 2011 a 1º deste mês, foram registrados 20 ocorrências a caixas eletrônicos em comércios e prédios públicos. Por causa do problema, houve desativação destes terminais no Távola Center (Areinha), na Secretaria Municipal de Saúde (Parque Bom Menino), no Moraes Center (Cohafuma) e de uma farmácia na feira da Liberdade.

Sem se identificar, um funcionário de escritório no Távola Center disse que, sem segurança, não vale a pena ter o serviço. “Por se tratar de espaços privados, os bancos não se responsabilizam pela segurança, então, o cliente fica muito exposto e alvo fácil de bandidos”, disse ele, que prefere enfrentar as filas nas agências a utilizar os caixas eletrônicos em alguns estabelecimentos.

Os principais alvos são equipamentos do Banco do Brasil, seguido pelo Bradesco, Santander e Caixa Econômica Federal. A capital concentra o maior número de casos, mas municípios do interior também registraram ocorrências deste tipo. Terminais em Grajaú, Araguanã e São Pedro de Água Branca também foram alvo da ação de suspeitos, de acordo com os dados do Sindbancários. Os estabelecimentos comerciais são os mais visados, seguido por órgãos públicos.

Segundo o Núcleo de Comunicação, Patrocínios e Eventos do Banco do Brasil, foram registradas três ocorrências deste tipo de ação, desde janeiro. Para dispor o serviço em pontos comerciais é considerada “a reciprocidade do órgão público ou cliente”. Para desativar o serviço, cabe a qualquer uma das partes, de acordo com a conveniência de cada um. Já a segurança, cabe ao estabelecimento onde o terminal está instalado. A reportagem procurou ainda a assessoria da Caixa Econômica Federal (CEF), mas não obteve retorno até o fechamento da edição.

MEMÓRIA//Arrombamento
O caixa eletrônico localizado na sede da Semosp, na avenida Guajajaras, foi arrombado por volta da meia noite do último sábado. Segundo as informações, dois homens armados participaram da ação. Eles renderam e amarraram o vigilante do local para praticar o assalto. Não foi informado se alguma quantia foi levada. O caso foi registrado da Delegacia da Cidade Operária (Decop).

Nenhum comentário:

Postar um comentário